27 de jan de 2011

A velha regra do não tire os pés do chão


Essa tal de realidade, quem ela pensa que é? Por causa dela sempre me mandam ficar com os pés no chão, mas isso é inútil, já me acostumei a estar com os pés bem altos, quase sempre fora da gravidade. Talvez eu viva assim, comemorando com antecipação, por desejar tanto realizar meus sonhos, exatamente como planejei e da forma como sempre imaginei. Talvez, os outros sofram por eu ser assim tão confiante, por fazer minhas listas detalhadamente daquilo que almejo, até mesmo aquelas que incluem outras pessoas.  Não é que eu seja autossuficiente, pelo contrário, se tudo dependesse de mim, com toda a certeza, não andaria por aí contando os dias para os meus sonhos se realizarem. A minha parcela de mérito na concretização dos meus propósitos é bem singela, quase nada depende de mim: acreditar, somente acreditar, manter viva a esperança independente do tempo e das circunstâncias. Interessante é ver a cara de bobo daqueles que duvidaram da minha fé, e perceber o sorriso de orelha a orelha daqueles que ao me verem planejar tiveram medo de que me decepcionasse. Contudo, nenhuma delas supera a minha expressão, ora de quem está prestes a explodir de alegria, ora de quem está surpresa. Não é à toa a minha hiperatividade voluntária, pois é incrível ver como todas as minhas expectativas são superadas, como recebo sempre mais do que pedi ou pude um dia imaginar.  E, quando isso acontece, novamente faço e refaço minhas listas e jogo meus pés bem alto com o objetivo de alcançar o céu. Nesse momento acredito que nada pode me deter, nada pode impedir que meus sonhos saiam do papel direto para a realidade. Somente eu, se deixar de acreditar. Mas não farei isso, nem mesmo obrigada, pois bem sei que a minha fé é capaz de mover montanhas, é a certeza daquilo que não vejo, mas desejo, é a convicção daquilo que eu espero, anelo, daquilo que com os olhos, não os carnais, eu contemplo. E mesmo invisíveis para muitos, vejo meus sonhos nitidamente, os coloro dia a dia, até que eles se tornem tão reais de maneira que posso tocá-los, vivê-los, realizá-los. 

[Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a convicção dos fatos que não se vêem.
Hebreus 11.1]

15 de jan de 2011

O reino dos que se destacam em nada


Boquiaberta e perplexa estava àquela multidão. Como era difícil compreender um fato tão bizarro. Um reino formado por desajustados, destrambelhados, losers e imperfeitos, sim, pessoas tão indignas, mas conscientes até o último fio de cabelo da sua mediocridade. Ali, eles dançavam livremente, sem se importar com a performance, eles eram eles mesmos, o tempo todo, e estranhamente eram aceitos, mesmo com suas falhas e limitações expostas para quem quisesse ver e rever. Do lado de fora a multidão fazia questão de se gabar dos seus feitos, dos seus diplomas e esperteza, eles apontavam e riam daqueles loucos, tão livres! Na verdade aqueles risos escondiam a revolta dos que não foram aceitos. Toda aquela capacidade, o seu desempenho e perfeccionismo na moral e ética não foi capaz de fazê-los entrar. Era monstruoso ser rejeitado, sabendo que cada rito e costume foi cumprido religiosamente, por aqueles que ficaram do lado de fora. Era um assombro saber que o dono daquele lugar não usou um critério “justo” de classificação. Ele não se importou com as habilidades, nem com o desempenho admirável daquelas pessoas, simplesmente as aceitou sem critério algum. Ele deixou entrar todos aqueles que conscientes de sua total falta de mérito decidiram viver, viver por um propósito que vai além de toda a sua breviedade temporal, falta de habilidade e inconsistência na sua atuação religiosa. Era espantoso o cavalheirismo daquele senhor, que acolheu em seu lar todos aqueles perdedores, com a única certeza de que agora eles viveriam não por suas próprias forças, mas sim pela graciosidade daquele Rei. Aquele sim era um reino singular, diferente de qualquer outro, um lugar tão inclusivo, onde era necessário absolutamente nada para entrar. Contudo aqueles que não conseguiram se despojar de toda sua habilidade e perfeição própria não conseguiram dar um passo em direção aquele reino. Para eles era embaraçoso saber que o cidadão mais vil teria ali, um lugar a mesa. Eles não aceitaram a única regra existente: libertar-se da escravidão do desempenho e viver pelo favor imerecido daquele senhor. 


[Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes. E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são. Para que nenhuma carne se glorie perante ele.
1 Coríntios 1.27-29]

o Senhor das fechaduras


Abaixada eu pegava as migalhas do chão. Aquilo não era nem de longe o suficiente, mas já havia me acostumado, estranhamente me contentava com as sobras. Aquele tempo todo vivendo de resto me impedia de desejar algo mais. Eu preferia não arriscar o pouco que tinha ao tentar e descobrir que eu realmente não merecia mais do que o mínimo. De tanto bater de porta em porta já conhecia exatamente o que cada uma delas iria me oferecer, mesmo sabendo que algumas me dariam o podre, estragado, eu aceitava, pois pra mim aquilo era um disfarce passageiro, por uma pequena fração de tempo aquilo iria me satisfazer. Dentro de mim, escondido e sufocado, estava meu desejo de me sentir completa. Desejava provar a mim mesma que merecia mais do que aquilo. Porém as tentativas frustradas fizeram minha esperança escorrer por entre os dedos e o meu sorriso se apagar. O que eu realmente queria é que uma daquelas portas ao se abrir me oferecesse algo a mais. A verdade é que todo aquele lixo do qual eu me entupia diariamente, ainda que me proporcionasse uma gota de alegria, estava me fazendo mal, eu estava doente. Estava faminta e vazia, a dor era tão grande que desejei morrer, queria que meu fôlego de vida fosse cortado naquele instante, pra mim não fazia mais sentido viver. Naquele momento de desespero alguém bateu à porta, mas eu não conseguia ir até lá, estava debilitada, as consequências das minhas escolhas me fizeram chegar àquele estado. Conforme minhas forças se esgotavam, batiam mais forte na porta, e mais forte, e a frequência das batidas aumentava. Então ouvi uma voz que chamava meu nome. Fiquei com medo, assustada, mas decidi ir até lá, ver quem batia daquele jeito, quem me chamava com tanta pressa. Completamente sem forças, me arrastei até a porta e ao abri-lá me deparei com alguém que trazia água e alimento, ele entrou e comeu comigo. Senti  vergonha da minha situação, mas ele me olhava com olhos de misericórdia e amor, eu podia ver a alegria que ele sentia em estar ali. Não sabia o que dizer, estava constrangida diante daquele gesto, os olhos marejados, não conseguia pensar em outra coisa, somente que eu estaria morta se ele não tivesse aparecido. O engraçado é que ele não perguntou nada, apenas me olhava com tamanha profundidade que acredito eu, conseguia ver a minha alma.
- Você me conhece?
- Sim. Há muito tempo.
- E porque não veio antes?
- Eu estive aqui todos os dias, mas você estava ocupada batendo em outras portas. Mas hoje eu finalmente te encontrei em casa.
- Mas você não estava em nenhuma das portas que eu bati...
- Eu estava aqui o tempo todo, só lhe restava abrir a porta e me deixar entrar.

[Eis que estou à porta e bato, se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo].
Apocalipse 3.20.

12 de jan de 2011

Ás avessas...

foi assim que me senti. Era tão estranho me ver exatamente como eu era, e descobrir que eu nunca havia me conhecido antes. Ali parada eu pude observar cada centímetro de mim mesma, até os sentimentos mais reprimidos e esquecidos, aqueles que eu decidi isolar no recôndito da minha alma. Sim, eu os podia ver com tamanha clareza e nitidez, era como se os visse aumentados no microscópio. Eu não desejava rever toda aquela bagagem novamente, não era á toa que havia sufocado aqueles sentimentos durante anos, escondido as lembranças, ignorado às tentativas e chances de mudança. Embora eu soubesse que precisava urgentemente de uma transformação eu ignorava todo e qualquer pensamento á respeito disso. Contudo eu não podia mais adiar aquele momento, o retroceder não tinha mais força em mim, tampouco o estagnar. Agora era diferente. Embora aquele rever e reviver cada momento do meu passado causasse em mim uma nostalgia, aquela foi  a última vez que passeei por ali com o peso nas costas, eu deixei o fardo lá e dessa vez foi para sempre! Eu parti sem olhar para trás, com um sorriso de alívio no rosto, eu decidi finalmente viver a nova vida que me propuseram.

minha essência revelada_a revelação em minha essência

Eu não preciso dos palcos, nem da fama de nomes, tão pouco das recompensas. Eu quero brilhar na escuridão e continuar sendo a mesma quando as cortinas se fecharem. Fazer o que é certo mesmo sem esperar nada em troca, ainda que isso custe a morte do meu egoísmo ou o anonimato. Que sem conhecer ao menos meu nome possam dizer: ela é diferente. Para longe da ética e do moralismo desejo viver em santidade, longe dos rótulos e dos julgamentos precipitados, eu quero amar e me doar, perder, porém ganhar. Para além da religião e das doutrinas desejo entoar um cântico ao meu Deus, que subirá até o céu e fará os anjos dançarem. Irei sorrir nos vales e dançar nos desertos. Não quero ser reconhecida por nada além do que sou: cristã.